Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

A natureza a falar - Flor

Mäyjo, 29.04.15

«Eu sou uma flor
Sim, sou bonita, já mo tinham dito
E continuam a dizer.
Sou adorada pela minha aparência
Pelo meu perfume
Pela minha aparência.

Mas há uma coisa

A vida começa comigo
Vejam, eu alimento as pessoas
Todos os frutos vêm de mim.
Cada batata, eu
Cada grão de milho, eu
Cada grão de arroz, eu
Eu, eu, eu... Eu sei
Mas é verdade.
E por vezes eu alimento as suas almas
Sou as suas palavras quando não têm nenhuma
Digo "amo-te" sem um único som
Digo "desculpa-me" sem ter voz.
Eu inspiro os maiores entre eles
Pintores, poetas, designers,
Tenho sido uma musa para todos eles
Mas na minha experiência
As pessoas subestimam o poder de uma bela pequena flor.
Porque a vida deles começa comigo
E pode acabar sem mim.»

Um vídeo de Conservation International com locução de Lupita Nyong'o.

 

INVENÇÃO TRANSFORMA ÁGUA DO MAR EM POTÁVEL ATRAVÉS DA ENERGIA SOLAR

Mäyjo, 29.04.15

agua_SAPO

Uma parceria entre o MIT e a empresa indiana Jain Irrigation Systems criou um método para transformar água salgada em potável. O sistema usa a eletrodiálise e tem uma explicação simples: o sal é dissolvido na água e transforma-se em partículas com cargas eléctricas positivas e negativas. Para remover essas partículas, o sistema usa membranas eléctricas que atraem as cargas como se fossem imãs.

“Funciona como um circuito eléctrico. Os íons são puxados para fora da água em direcção aos electródos”,explicou ao Boston Globe Natasha Wright, doutoranda no MIT e uma das criadoras do sistema. De acordo com Wright, apenas 5% da água é perdida nesse processo.

A dessalinização é feita através de baterias similares às de carros e camiões. Elas são carregadas durante o dia utilizando painéis que captam energia solar.

Uma unidade do sistema é capaz de abastecer água para irrigar uma pequena quinta ou então para atender às necessidades de uma população de cinco mil pessoas.

Apesar do foco em países em desenvolvimento, a invenção pode ser importante também para grandes áreas metropolitanas.

A invenção venceu um desafio da USAID, um órgão do governo americano que lida com populações que passam necessidades. O objectivo do desafio era criar um sistema simples e barato para fornecer água limpa para comunidades rurais em países em desenvolvimento. Agora, a invenção tem €115.000 para começar a ajudar as comunidades sem água potável.

Foto: Art Poskanzer / Creative Commons

AQUECIMENTO GLOBAL VAI AUMENTAR TEMPERATURAS EM 2ºC ATÉ 2036

Mäyjo, 29.04.15

Aquecimento global vai aumentar temperaturas em 2ºC até 2036

Se a população global continuar a utilizar os combustíveis fósseis à corrente taxa de utilização, o aquecimento global vai aumentar dois graus Celsius até 2036, ultrapassando um limiar que muitos cientistas consideram que irá ter consequências nefastas em todos os aspectos da civilização humana: alimentos, água, saúde, energia, economia e segurança nacional.

Num artigo intitulado “False Hope”, publicado na edição de Abril da Scientific American, Michael E. Mann explica como é que o planeta vai atingir este limite rapidamente e por que é que o recente abrandamento no aquecimento, se continuar, vai apenas conceder dez anos à Terra para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e evitar ultrapassar o perigoso limiar.

De acordo com o cientista, os dados que indicam que a taxa de aquecimento do planeta estagnou na última década, evento que é conhecido como “a pausa”, são incorrectamente interpretados. Segundo Mann, as temperaturas continuam a aumentar, não a uma taxa tão elevada como a da década passada e a questão importante é qual o significado desta desaceleração a curto prazo na forma como o planeta pode vir a aquecer no futuro.

O Intergovernamental Panel on Climate Change (IPCC) está encarregue de responder a questões como a anterior. As previsões sobre o aquecimento são feitas através da publicação de relatórios, para os cinco a sete anos seguintes, e são estes documentos que orientam a maioria das políticas mundiais sobre o quão rápido está o planeta a aquecer ou quanto tempo dispomos para travar este aquecimento. De acordo com o Mann, o IPCC ainda não ponderou os impactos do aquecimento ou como minimizar estes impactos, o que deverá fazer nos próximos relatórios a publicar.

Contudo, o investigador criou um modelo que permite dar resposta à consequência da desaceleração do aquecimento e ao impacto que terá no aquecimento futuro.

Tudo vai depender da sensibilidade do equilíbrio climático

Embora a terra tenha experienciado um aquecimento excepcional ao longo do último século, para estimar quanto mais é que o planeta vai aquecer é necessário, indica Mann, saber como é que a temperatura vai responder ao aumento atmosférico de gases com efeito estufa provocados pelo Homem, principalmente o dióxido de carbono.

Os cientistas chamam a esta resposta “sensibilidade do equilíbrio climático” (ECS, na sigla inglesa). Esta é uma medida comum para o efeito de aquecimento provocado pelos gases estufa. É também o indicador do aquecimento esperado à superfície da Terra depois de concentração e CO2 na atmosfera aumentar para o dobro e o clima posteriormente estabilizar – ou seja, atingir um equilíbrio.

Quanto sensível for a atmosfera a este aumento do CO2, maior será a ECS e mais rápido aumentarão as temperaturas. Porém, é difícil determinar um valor exacto para a ECS porque o aquecimento é influenciado por outros mecanismos, como as nuvens, gelo e outros factores. Uma vez que estes mecanismos externos são incertos, o IPCC fornece uma variação para a ECS, em vez de um valor exacto. No relatório de Setembro passado, o último, o IPCC estimou um aumento entre 1,5 a 4,5 graus Celsius. Contudo, Mann calculou as temperaturas hipotéticas futuras com diferentes valores para a ECS, num modelo de balanço energético.

De acordo com os estudos feitos pelo investigador, para uma ECS de três graus, a Terra poderá passar essa barreira de dois graus aceite pela comunidade científica em 2036. Porém, considerando uma ECS de 2,5 graus, esta barreira seria apenas atingida em 2046.

Desta forma, o investigador indica que mesmo num cenário favorável, com um valor para a ECS baixo, não é sinal de que o aquecimento global acabou ou estagnou. É apenas sinal de que a terra e a humanidade têm mais tempo para evitar que a temperatura média aumente dois graus.

Foto:  zigazou76 / Creative Commons

UZBEQUISTÃO: UM FORNO SOLAR QUE PODE DERRETER METAL

Mäyjo, 29.04.15

Um forno solar uzbeque